sexta-feira, 3 de agosto de 2012

CONDIÇÕES MUITO PRECÁRIAS, PERMITIRAM PERPETUAR A IDEIA DE ESCOLA NO AFEGANISTÃO

Rapariga afegã na escola de Latifa

Texto: www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/hfe/lugares/.../afeganistao.htm

     O  exemplo do Instituto Gulbar, no Norte do Afeganistão, é eloquente. Em 2001, a 40 quilómetros da frente de batalha, todas as manhãs o início das aulas era anunciado com cartuchos de munição vazios que caíam das vigas de um corredor pouco iluminado. Os alunos, enquanto escutavam  o som rouco dos cartuchos de munição, iam entrando no Instituto através daquilo que restou do portão principal, destruído no final de 1998. Os lápis e cadernos eram levados pelos próprios alunos pois praticamente todo o material escolar havia sido destruído. Apesar de os Talibã terem proibido o ensino das meninas com mais de oito anos,  o Instituto Gulbar continuou a oferecer aulas para os meninos, de manhã, e para as meninas, na parte da     tarde.

Uma professora, Latifa, ensinou ilegalmente durante quatro anos vinte alunas que queriam aprender a ler e a escrever. A professora descreve a situação de uma menina de seis anos, sua aluna, que um dia, quando ia da escola para casa, foi abordada por um carro com soldados Talibãs, violentamente revistada e interrogada. A menina manteve-se firme e nada disse sobre a localização da escola. Impotente, Latifa assistiu a tudo, da janela da escola. Não podia correr em auxílio da menina pois se o fizesse a escola deixaria de existir.

Esta escola continua a existir, agora legalmente.  Lalifa  ensina  todas as manhãs, das 8:00 às 11:00, numa sala com um tapete onde as alunas se sentam, uma ardósia na parede e giz.

Actualmente, a situação do Afeganistão parece ter melhorado. As crianças já podem ir para a escola livremente. Mas muita coisa tem ainda que mudar.   Por exemplo, no interior do país, sobretudo nas províncias mais pobres do sul dominadas pelos pashtuns, a guerra parece não ter ainda terminado. Assim, nos arredores da província de Ghazni, são diariamente  necessários 20 homens armados para proteger a escola feminina Johan Malaka Ghazni, bombardeada em Dezembro de 2002.  Mesmo em Cabul, a liberdade de aprender nem sempre é respeitada. Por exemplo, a Escola de Música de Cabul, que reabriu depois de oito anos sem funcionar,  continua a não aceitar mulheres. 

 Digamos que, apesar das dificuldades, existe uma enorme vontade de estudar. Até as populações nómadas realçam a importância da educação das suas crianças. Os Kuchis, grupo nómada originário do norte do Afeganistão (província de Parwan), em vez de partir para o Sul, resolveram no último ano fixar-se na pequena vila Sherak para aí construir uma rudimentar escola para as suas 142 crianças. A escola de Sherak é desde então uma realidade. A UNICEF forneceu ardósias, livros e outros materiais escolares.
AFEGANISTÃO PERSEGUIÇÃO RELIGIOSA
A Constituição afirma que o Islamismo é a religião oficial do país e que os seguidores de outras religiões têm o direito de professar sua fé e praticar seus ritos e cultos abertamente, desde que dentro dos limites impostos pela lei islâmica (Sharia). Como na maior parte dos países islâmicos, os sunitas são maioria também no Afeganistão, onde os xiitas compõem a segunda maior seita islâmica e o restante da população é dividido entre cristãos, hindus, Bahá’ís e outras seitas oriundas do islamismo.
A conversão de um muçulmano a outra religião é considerada apostasia, sendo punível com a morte em algumas interpretações da lei islâmica no país. O código penal não define apostasia como crime e a Constituição proíbe a punição por crime não definido no código penal, que, no entanto,  afirma que os crimes graves, incluindo a apostasia, seriam punidos de acordo com a Hanafi, jurisprudência religiosa, e manipulados por um procurador-geral do escritório. Cidadãos do sexo masculino com idade acima de 18 e do sexo feminino acima de 16 anos, de mente sã, que se converteram a outra religião que não o islã, têm até três dias para se retratar de sua conversão, ou serão sujeitos a morte por apedrejamento, à privação de todos os bens e posses e à anulação de seu casamento. O mesmo acontece quando o individuo é acusado do crime de blasfêmia.
E o 2ª colocado quanto a perseguição religiosa (portasabertas.org.com)

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...