segunda-feira, 30 de março de 2015

LÍBIA: MEDO DE SER CRISTÃO


Imagine viver em um estado tão constante de medo que, até mesmo sair de casa, torna-se difícil…
Essa é a realidade para um número cada vez mais crescente entre cristãos egípcios que vivem na Líbia. Desde que o Estado Islâmico assassinou brutalmente 21 cristãos, os que expressam sua fé em Deus têm experimentado um aumento nas ameaças, sequestros e assassinatos.
Relatórios mostram que muçulmanos estão oferecendo altos valores para quem levar até eles nomes de cristãos. As áreas onde os cristãos vivem já são bem conhecidas.
Até mesmo motoristas de ônibus estão receosos de transportar cristãos. Muitos já se recusam a levá-los de um ponto a outro.  Outros, aproveitam a situação para cobrarem dos cristãos um valor muito acima do habitual para transportá-los.
Os 21 cristãos mortos viviam na aldeia Samalout, província rural de Minya. Antes de serem destinados à morte, o grupo militante confirmou a religião dos homens através das carteiras de identidade de cada um, onde é obrigatório constar a qual religião cada cidadão pertence.
A maioria dos cristãos egípcios se mudou para Líbia em busca de melhores condições de trabalho, uma vez que a economia do seu próprio país enfrenta um colapso nos últimos tempos.

25 de março de 2015 | | Postado por Voz dos Mártires

terça-feira, 17 de março de 2015

COMO ME TORNAR UM MISSIONÁRIO?


UMA PALAVRA SOBRE VOCAÇÃO
A vocação de Deus é incontestável e irresistível. Incontestável, pois Ele, ao vocacionar, o faz de forma clara e nada mais enche o coração. Irresistível pela abordagem, pois quando Deus vocaciona, tudo nos impele a segui-Lo.
Chamado e vocação são termos correlatos na Palavra de Deus e derivam da expressão kaleo – chamar. Em todo o Novo Testamento vemos que Ele chama para a salvação (2 Pe 1.10), para a liberdade (Gl 5.13), para sermos de Jesus Cristo (Rm 16) e para a ceia das bodas do Cordeiro (Ap 199). Todo chamado se dá segundo o Seu propósito (Rm 8.28) e somos encorajados a permanecer firmes no chamado (1 Co 7.20), andar de forma digna da nossa vocação (Ef 4.1) e a vivê-la junto com outros igualmente chamados em Cristo (Ef 4.4).
O chamado de Deus não é uma prerrogativa do Novo Testamento. Deus, ao longo da história, chamou o Seu povo para o Seu propósito. Israel é chamado para ser bênção entre as nações (Gn 12.2) e para anunciar a salvação e a glória do Senhor (Sl 96.3). Em Isaías, o Senhor fala sobre “todos os que são chamados pelo meu nome”, também menciona que foram criados “para a minha glória” (Is 43.7). Antes de tudo, é preciso compreender que, em Cristo Jesus, todos somos vocacionados (1 Pe 2.9-10). A Palavra deixa isso bem claro ao expor que somos vocacionados para a salvação, para as boas obras, para a santidade e para a missão. Ou seja, nascemos em Cristo Jesus com um propósito. Não estamos neste mundo de forma aleatória e descomprometida. Fomos salvos em Cristo para fazer diferença – sendo sal e luz – e cumprir o chamado de Deus. E, dentre todas, a nossa maior vocação é glorificar o nome de Deus Pai (Rm 16.25-27).
Encontramos também na Palavra de Deus a vocação ao ministério, para uma função específica no Reino do Senhor. Trata-se daqueles que são separados por Deus para uma ação específica e funcional em Sua igreja. Escrevendo aos Romanos, Paulo se apresenta como “servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus” (Rm 1.1), expressando que é servo de Cristo, porém, com um chamado ministerial específico: ser apóstolo.Ele afirma ser “servo” – doulos – escravo comprado pelo sangue do Cordeiro, liberto das cadeias do pecado e da morte e, apesar de livre, cativo pelo Senhor que o libertou. Afirma também ser chamado para ser “apóstolo”, demonstrando que alguns servos podem ser chamados ao apostolado, porém, não há apóstolos que não sejam primeiramente servos.
Em Efésios 4:11, entendemos que o Senhor Jesus chama, dentre todos na igreja, “alguns” para serem apóstolos, profetas, pastores, evangelistas e mestres, ou seja, para funções específicas de trabalho. Quem nós somos – nosso chamado em Cristo – é mais determinador para nosso ministério do que para onde iremos. Não há na Palavra um chamado geográfico (para a China, Índia ou Japão), ou mesmo étnico (para os indígenas, africanos etc.), mas um chamado funcional, para se fazer alguma coisa. Na exposição aos Efésios, Paulo afirma que alguns foram chamados para ser apóstolos, ou “a pedrinha lançada bem longe”, na expressão de John Knox. São aqueles que vão aonde a igreja ainda não chegou. Há os profetas, que falam da parte de Deus e comunicam Sua verdade. Há os chamados para serem pastores, que amam e cuidam do rebanho de Cristo, que amam estar com o povo de Deus e se realizam ministerialmente cuidando desse povo. Há os evangelistas, que são aqui os “modeladores” do Evangelho, ou seja, os discipuladores. São os irmãos que fazem um trabalho nos bastidores, de discipulado, extremamente relevante para o Reino, o crescimento e amadurecimento da igreja. Por fim os mestres, que ensinam a Palavra de forma clara e transformadora, são os que leem a Palavra e a expõem de forma tão clara que marcam vidas e corações.
Na dinâmica do chamado há certamente uma direção geográfica. Se alguém possui convicção de que Deus o quer na Índia, isso significa que há uma direção geográfica de Deus, não um chamado ministerial. Mas, notem: a direção geográfica muda, e mudou diversas vezes na vida de Paulo. O chamado, porém, permanece. Paulo foi chamado para os gentios, como por vezes expressa (At.13:1-3). Era uma força de expressão para seu perfil missionário, pois, com exceção dos judeus, todo o mundo era gentílico. Assim, ele expressa em Romanos 15.20 a prioridade geográfica do ministério da Igreja: “onde Cristo ainda não foi anunciado”. Na época, prioritariamente entre os gentios. Hoje, porém, pode ser perto e pode ser longe. Uma pessoa, de qualquer língua, raça, povo ou nação, que ainda não tenha ouvido as maravilhas do Evangelho, é a prioridade de Deus para a obra missionária.
Percebo algumas crises entre os vocacionados no Brasil. As principais talvez sejam de compreensão, discernimento e ação. A crise de compreensão se estabelece à medida que não entendemos, na Palavra de Deus, que somos todos vocacionados para servir a Cristo. Assim, relegamos o trabalho aos que possuem um chamado ministerial específico. Outras vezes, por associarmos o chamado puramente a títulos ou posições eclesiásticas, esquecendo que fomos todos chamados em Cristo para a vida no Espírito e para o trabalho na missão.
A crise de discernimento nasce quando não fazemos clara distinção entre o chamado universal e o chamado ministerial específico. Podemos passar a vida frustrados em qualquer lado do muro se não buscarmos discernimento vocacional. Esse discernimento é encontrado primeiramente na Palavra, estudando o que a Bíblia nos ensina sobre vocação. Em segundo lugar, caso haja uma convicção de chamado ministerial específico, associando-nos ao trabalho da igreja e passando nossa vocação pelo crivo dessa experiência. Por fim, precisamos buscar ao Senhor em oração especialmente para saber qual será o próximo passo. Deus, geralmente, só nos mostra o próximo passo.
A terceira crise que percebo é de ação. Há um número grande de irmãos e irmãs com clara compreensão bíblica sobre a vocação, claro discernimento sobre os passos a serem dados, mas nunca os dão. Para alguns, esse passo é um envolvimento maior com o ministério da igreja local. Para outros, é seguir para um centro de treinamento bíblico e missionário ou participar de um estágio ministerial. O importante é perceber que, em algum momento ao longo da convicção de um chamado ministerial, é preciso dar um passo.
Somos, portanto, todos vocacionados em Cristo para servir a Deus e glorificar o Seu Nome. Alguns são vocacionados, também em Cristo, para funções específicas – ministeriais – para o encorajamento da igreja e expansão do Evangelho no mundo. Em qualquer situação, a nossa vocação é um privilégio. Na verdade, talvez seja o nosso maior privilégio, bem como o nosso maior desafio.

Por Ronaldo Lidório Fonte: http://www.povoselinguas.com.br/

sábado, 7 de março de 2015

MULHERES FORTES, VALOROSAS



Exemplos de mulheres valorosas na Bíblia.

ESTER - A rainha Ester, através do seu ato de coragem e sabedoria, conseguiu, junto ao rei, que lhe desse dois dias para que seu povo pudesse se defender da sentença de morte.
Por causa da mão de Deus, da coragem de Ester e da mudança que houve no coração do rei, o povo judeu conseguiu vencer os inimigos.
Deus cuidou de Ester e direcionou-a a fim de que Seu plano perfeito para o Seu povo se tornasse realidade.
Deus usou Ester, uma órfão judia, para Seus propósitos e também poderá usá-la, querida irmã, para cumprir os propósitos dEle mesmo sendo você a pessoa mais improvável que exista.
Você está disposta a agir de maneira sábia e corajosa, mesmo tendo que enfrentar perigos ou mesmo a morte para estar no centro da vontade de Deus?
Peça ao Senhor que coloque em seu coração esta vontade de servi-Lo. Que Ele a proteja e lhe dê sabedoria para obedecê-Lo e cumprir o propósito que Ele tem preparado para você.


LÍDIA - "E uma certa mulher chamada Lídia... nos ouvia, e o Senhor lhe abriu o coração para que estivesse atenta ao que Paulo dizia" (Atos 16:14).
Muitas mulheres da Bíblia foram usadas pelo Senhor para que Seu plano se tornasse realidade. A Europa precisava ser evangelizada e a semente do evangelho foi lançada naquelas terras pelo apóstolo Paulo através de uma mulher forte porém de coração meigo. O seu nome era Lídia.
Foi, exatamente, em Filipos, um lugar improvável para a palavra de Deus ser semeada, que ela ouviu da boca do apóstolo as palavras do shema: "Ouve, Israel, o Senhor, nosso Deus, é o único Senhor. Amarás, pois, o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças" (Deuteronômio 6:4).
Podemos imaginar Paulo usando estas palavras introdutórias do seu sermão para falar do Senhor Jesus àquele povo sedento que não tinha nem mesmo lugar para adorar a Deus (as mulheres se reuniam à beira de um rio para, ali, orarem ao Pai e Lídia orava com elas).
Lídia, comerciante de grande destaque que viera da Ásia Menor, vendia, em Filipos, tecidos finos tingidos de um tom de púrpura que variava de vermelho escarlate a um púrpura escuro.
Ela não era judia mas tinha o coração aberto para conhecer este Deus que tanto fizera e fazia pelo povo judeu. Ela sabia dos milagres e do perdão contínuo a este povo que Ele chamava de Seu povo.

Lídia, atenta às palavras de Paulo, conheceu Jesus, o próprio Deus, que desceu da Sua glória no céu, da Sua majestade para lhe dar as boas novas do evangelho e derramar o Seu precioso sangue e morrer numa cruz para lhe salvar e dar a vida eterna.

MARIA -  A VIRGEM ESCOLHIDA POR DEUS

"... e o nome da virgem era Maria" (Lucas 1:27).

Dentre tantas mulheres judias, Deus decidiu escolher uma jovem virgem, de uma família pobre, da cidade de Nazaré, para ser a mãe de Jesus, o nosso Salvador. O seu nome era Maria e ... foi a ela que Deus enviou um anjo para fazer um anúncio que a deixou perturbada, pois ela não estava entendendo o que seria tudo aquilo.
Um anjo lhe apareceu e lhe disse: "... Salve, agraciada; o Senhor é contigo; bendita és tu entre as mulheres" (Lucas 1:28).

Que privilégio! Que alegria, receber um anjo, enviado por Deus em nossa casa!

Maria foi escolhida por Deus apesar de ser jovem, inexperiente, pobre e não ser uma pessoa de destaque em sua cidade mas ... Deus a escolheu. Talvez poucos a conhecessem mas o Senhor a conhecia. Ele conhecia o seu coração. Ele sabia que ela O amava, que ela O conhecia e que iria aceitar esta tarefa tão difícil para uma jovem judia que estava prestes a se casar.

Do mesmo modo que o Senhor conhecia o coração de Maria, Ele conhece o seu coração. Talvez você queira trabalhar para o Senhor mas você se acha uma pessoa despreparada, medrosa, sem ter muito estudo apesar de amar de todo o seu coração ao Senhor. Você tem vontade de dizer: "Eis-me aqui, Senhor!" mas se acha um pouco incapaz.
Amada irmã, quem capacita é o Senhor. Apesar de amá-Lo e de saber que Ele capacita, você também tem que fazer a sua parte ... lendo muito a Palavra de Deus para não só amá-Lo como também conhecê-Lo e obedecê-Lo.
Maria não só amava o Senhor mas conhecia a Sua Palavra e possuía uma fé que agradava a Ele.

Podemos ficar aqui relatando exemplos de  várias mulheres valorosas na Bíblia. Hoje Deus procura essas mulheres, graças a Deus. Deus tem achado.

Abaixo exemplos de mulheres valorosas no campo missionário.

MISSIONÁRIA CRISTINA QUEVEDO
Esposa do Missionário Pr. Valdecir Quevedo, campo Missionário Peru, esta família tem sido usada por Deus para abençoar crianças peruanas.
Missionária Cristina também é escritora escreveu o livro “Ester” a divulgação do livro  esta na pagina do nosso blog. Fotos da Missionária Cristina Quevedo  Acesse http://fuentedevidaperu.blogspot.com       FACEBOOK: Fuente de vida Perú




MISSIONÁRIA GESUA MOREIA
Eu de muito boa vontade gastarei, e me deixarei gastar pelas vossas almas, ainda que, amando-vos cada vez mais, seja menos amado. 2 Coríntios 12:15
Esta varoa valorosa tem sido usada por Deus para abençoar a África. Conheça o Projeto Águas tem uma pagina no no Blog do SEMIADECIN  informando sobre o Projeto. Esta varoa de Deus faz parte da ADECIN. ACESSE: FACEBOOK VISITE A PAGINA  Associação Misericórdia Para As Nações
Veja as fotos.





MISSIONÁRIA Prª SOCORRO
Campo missionária Ceará – Brasil, faz parte da ADECIN. Há uma pagina no nosso Blog informando sobre a Missão Amiga. PAGINA FACEBOOK ACESSE
Veja as fotos da nossa missionária atuando no campo missionário.







Nós não esquecemos de você esta foto abaixo sem rosto representa todas as mulheres que querem servir à Deus. Mulher venha fazer a diferença, Deus conta contigo!! Não fique de fora!!! Há um chamado para você ouça a voz do Espírito Santo. Diga “Senhor eis -me aqui, usa-me”


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...