domingo, 23 de abril de 2017

ADECIN E A TRIBO PATAXÓ SOMOS UM!

Miss. Jose Carlos Batista recebendo doações Miss. Liane cruz
Dia 19 de abril é comemorado o Dia do Índio, apesar da data lembramos pouco dos povos que carecem de investimentos, ainda hoje muitas tribos são privadas do direito à saúde, educação e questões espirituais.

No Brasil há 240 tribos diferentes e, destas, mais de 140 não foram alcançadas pela obra missionária. 

Podemos fazer muito mais, há missionários cumprindo o IDE do Senhor.

E disse-lhes: Ide por todo o mundo, pregai o evangelho a toda criatura. Marcos 16:15

FUGIR – IGNORAR, OMITIR, ESCONDER, VIRAR AS COSTAS


FICAR OLHANDO  
E aconteceu que, completando-se os dias para a sua assunção, manifestou o firme propósito de ir a Jerusalém.

E mandou mensageiros adiante de si; e, indo eles, entraram numa aldeia de samaritanos, para lhe prepararem pousada,
Mas não o receberam, porque o seu aspecto era como de quem ia a Jerusalém.
E os seus discípulos, Tiago e João, vendo isto, disseram: Senhor, queres que digamos que desça fogo do céu e os consuma, como Elias também fez?
Voltando-se, porém, repreendeu-os, e disse: Vós não sabeis de que espírito sois.
Porque o Filho do homem não veio para destruir as almas dos homens, mas para salvá-las. E foram para outra aldeia.


  
FAZER ALGO – A SEMIADECIN – Secretaria de Missões Assembleia de Deus Cidade Nova. Recebeu um pedido pelo Missionário Jose Carlos Batista da Igreja Batista do Povo, solicitando mochilas infantis para as crianças da Tribo Pataxó.

A Missionária Liane Cruz (Secretária de Missões SEMIADECIN) solicitou a Igreja ADECIN mochilas novas ou usadas, conforme cartaz anexo:


Tivemos doações em dinheiro e usamos esta verba para compra de panos e confeccionamos em torno de 40 mochilas infantis conforme a foto.

Missionário Jose Carlos Batista recebendo as doações no nosso templo Sede Trav. Pastor Daniel Ribeiro, 13 Estácio RJ


Templo Sede faça uma visita terceiro domingo do mês Culto de Missões às 18h30
ESTE E O RESULTADO DO IDE EU NÃO POSSO IR MAIS O NOSSO MISSIONÁRIO FOI. OH GLÓRIAS!!!!
FOTO DO LOCAL CRIANÇAS DA TRIBO RECEBENDO AS DOAÇÕES.

PODEMOS JUNTOS FAZER MUITO MAIS


domingo, 9 de abril de 2017

SEIS ANOS DE GUERRA NA SÍRIA

ATAQUE NA SÍRIA
Tomado desde 2011 por uma guerra civil e por ataques de grupos radicais islâmicos, o país conta com conflitos constantes, cidades sitiadas e cristãos enfrentando a perseguição religiosa.
Apesar de muitas cidades sírias terem sido tomadas por ataques violentos do Estado Islâmico, muitos cristãos sírios não veem a possibilidade de deixar o país e lutam, frequentemente, para se manter e reconstruir tudo o que foi perdido. Templos destruídos, famílias expulsas de suas casas e muitas refugiadas em outros países, há seis anos a Síria enfrenta conflitos internos que, apesar da violência, não fez com que o cristianismo deixasse de existir. Pelo contrário, a região que já foi conhecida como o maior reduto do cristianismo no mundo, hoje luta para permanecer firme, diante da guerra.
Muitos dos que ficaram, ainda pregam o evangelho ao sírio. Além do Estado Islâmico, que se aproveitou de um momento de fragilidade da autoridade do governo, o povo sírio ainda enfrenta ataques de rebeldes contra o governo, o que coloca o cristão na linha de frente entre os dois grupos armados. Apesar disso, a esperança não desvanece para quem está na Síria e espera por dias melhores, mesmo em condições de guerra e conflitos constantes.
“Um dia eu estava sentindo muito medo e fiquei confusa por causa da situação. Eu não entendia o que estava acontecendo. Eu fui à igreja e orei perguntando a Deus: 'Por quê?'. Então, eu senti ele falando comigo: 'Tudo vai ficar bem, tenha esperança e fé em mim. Confie em mim'. Eu respondi: 'OK, eu confio em você. Então, eu realmente me senti melhor, eu podia sentir paz por causa disso”, compartilhou Sarah*, uma cristã síria, com a equipe da Portas Abertas.
Esperança para eles
A esperança do cristão sírio depende de nossas orações e ações práticas, para que a fé cristã continue sendo espalhada pelo país. A campanha “Esperança para Iraque e Síria” foi criada com a intenção de reivindicar aos nossos irmãos sírios o direto à igualdade, condições de vida dignas e um papel relevante na construção da sociedade. 

SAIBA MAIS, ACESSE : https://www.portasabertas.org.br/noticias/2017/03/seis-anos-de-guerra-na-siria


Imagem relacionada

terça-feira, 7 de março de 2017

MISS. ANDREIA SIQUEIRA ESPERANÇA PARA RAMOS

MISSIONÁRIA ANDREIA SIQUEIRA PRESIDENTE DA ASBEPE

A presidente da instituição, Andréia Siqueira de Paula, é missionária e conta com uma equipe de voluntários para desenvolver os projetos. A ASBEPE se mantém através do auxílio financeiro de parceiros e colaboradores que se identificam com os projetos e objetivos da Associação.

 A Associação Beneficente Projeto Elikya, ASBEPE situada em Ramos, no Rio de Janeiro, possui um trabalho importante desde setembro de 2005. Atende às necessidades da região, a ASBEPE criou o projeto Esperança para Ramos, tendo como linha de atuação o atendimento socioeducativo em meio aberto a crianças e adolescentes em horário complementar ao da escola, por meio de atividades culturais, esportivas e sociais, com foco educacional. Estamos próximos ao Complexo da Maré e cercados por diversas comunidades desprovidas de recurso financeiro, cultural e de lazer. Com base nos dados acima, a ASBEPE, cuja localização pode favorecer estas comunidades, resolveu criar um Projeto de Esporte que pudesse ocupar o tempo ocioso das crianças retirando-as das ruas e oferecendo momentos propícios ao crescimento harmonioso das aptidões associados ao lazer. As visitas domiciliares realizadas pelos profissionais da instituição aos participantes do projeto Esperança para Ramos confirmou a grande necessidade de espaço para o desenvolvimento psicomotor dessas crianças, devido ao pequeno tamanho das moradias, justificando assim a relevância e urgência da implantação do projeto. Nossa proposta é proporcionar aos estudantes das comunidades um espaço atrativo que favoreça a permanência dos mesmos no contexto educativo, criando um ambiente saudável para o convívio escolar e comunitário. Buscamos resgatar a cidadania através da prática do esporte vivenciando seus aspectos técnicos, táticos e regras.

SEMIADECIN COOPERA COM a ASBEPE
EQUIPE DE MISSÕES SEMIADECIN VISITANDO ASBEPE






VOCÊ É O NOSSO CONVIDADO SEJA BEM-VINDO!!!!!



terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

TADALA - FORÇA E VIDA

TADALA, PR. ELIEL GOMES ÁFRICA


Postado dia 08/02/2017 - 14h45min Fonte: http://www.sosresgate.org.br


Em Julho de 2012 quando fomos ao Malawi, tivemos de ir ao vilarejo de Panzuo onde um templo havia sido destruido por um vendaval, e ao chegar ali nos deparamos com uma cena que muito nos impressionou. Vimos uma menina de apenas cinco anos de idade trabalhando num pilão, pilando milho para sí e sua família. 

Desde esse dia ela se tornou para nós um símbolo da nossa luta contra a exploração do corpo da criança Africana e da desnutrição infantil na parte sul e sudeste do continente africano. Aquela viagem ficou marcada por cenas chocantes envolvendo a miséria humana e a exploração infantil. Quando fomos ao mercado, vimos ali muitas crianças na sua maioria meninas de 9 a 11 anos pedindo dinheiro para comprar um pouco de comida, muitas delas são abusadas por homens mais velhos que se servem delas por um pedaço de pão e uma xícara de chá. 

Em Março  de 2016 mandei um recado ao seu pai, Pr.Domingos Moriwa e ele a trouxe no começo de Abril até nossa base em Beira-Moçambique. Apesar de muito magrinha e desnutrida, Tadala, este é o nome dela, agora com 9 anos, continua a lutar pela
sua vida. Tomei a decisão de adotá-la eu mesmo e no mesmo dia entreguei ao seu pai um valor suficiente para levá-la ao hospital pois ela não está bem fisicamente, assim como comprar alimentos melhores, roupas, um sapatinho, material escolar, enfim; o básico.

Hoje com 9 anos de idade, muito magrinha, com suspeita de tuberculose, mas ela continua a lutar pela sua vida, da mesma forma como nós a conhecemos a quatro anos atrás trabalhando num pilão aos 5 anos de idade.  Foi assim que em Julho de 2012 quando estivemos no pequeno lugarejo chamado Panzuo, no país do Malawi, conhecemos a pequena Tadala, cujo nome quer dizer: A bênção
No caso de TADALA chegamos a tempo, mas há pelo menos 2.000.000 ( dois milhões) de TADALAS somente em Moçambique e Malawi, das quais hoje com muito sacrifício conseguimos cuidar e alimentar umas 1000; o que dizer das outras 1.999.000; que como esta pequena e raquítica criança, tem o direito de viver, crescer e se tornarem alguém na vida?

O Projeto S.O.S RESGATE, que lançamos em setembro de 2011, já atendeu desde o seu lançamento  mais de  3 . 0 0 0 c r i a n ç a s  na faixa de  0 3 - 1 0 anos de idade. Mas ainda há milhões não alcançados .
S.O.S – AFRICA MINISTRY, é um ministério cristão, que engloba presentemente, as seguintes organizações missionárias e  eclesiásticas: MISSÃO S.O.S – ÁFRICA, MISSÃO INTERNACIONAL S.O.S – BRASIL/ÁFRICA, S.O.S – AFRICA MISSION,  INSTITUTO S.O.S – RESGATE, assim como as igrejas ASSEMBLÉIA DE DEUS NOVA ALIANÇA e ASSEMBLÉIA DA NOVA ALIANÇA, além de outras organizações como: PROJETO S.O.S RESGATE – MOÇAMBIQUE; S.O.S HINDUSTANI, S.O.S RESGATE DARSHAN-ÍNDIA, S.O.S HIMALAYA, a Escola Bíblica Nova Aliança, e uma convenção de igrejas denominada Convenção Internacional das Assembleias da Nova Aliança. 

Com exceção do S.O.S – BRASIL/AFRICA e do INSTITUTO S.O.S RESGATE, todas as demais estão estabelecidas na África, e na Ásia com sedes em África do Sul, Moçambique, Malawi, Índia e Nepal e mais a Igreja Evangélica Pentecostal Centro Nova Aliança em Angola.


SEMIADECIN APOIA E COOPERA COM ESTA OBRA, PEGUE O SEU CARNÊ ADECIN - TRAV. PR. DANIEL RIBEIRO, 13 ESTÁCIO RJ


Fonte: http://www.sosresgate.org.br  ACESSE AGORA! ADOTE UMA TADALA! FAÇA MISSÕES HOJE! 

FOTOS DO PROJETO SOS RESGATE




VOCÊ PODE ADOTAR UMA CRIANÇA AGORA ACESSE:
http://www.sosresgate.org.br

quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

MISSIONÁRIOS CONVERTE JOVEM FEITICEIRO AO EVANGELHO

Jovem Emmanuel de 16 anos



O testemunho de transformação de vida de um jovem africano parece algo saído de uma ficção, mas é um exemplo prático do poder do Evangelho.
O jovem Emmanuel, 16 anos, era membro de um grupo de feitiçaria que atuava no formato das gangues de filmes de Hollywood: uma iniciação com ritual bizarro e a obrigação de cumprir todos as ordens recebidas.
No ritual de iniciação, ele foi obrigado a cantar canções macabras, enquanto segurava uma cobra venenosa. Ao mesmo tempo, os membros mais antigos do grupo de feitiçaria faziam cortes em seus braços “para torná-lo mais forte”.
De acordo com informações da British Bible Society, a infância de Emmanuel foi complicada:aos nove anos de idade foi enviado a um orfanato devido ao frágil estado de saúde de sua mãe, que era portadora de HIV.
A necessidade de pertencer a algum lugar deixou Emmanuel suscetível à proposta da gangue, e assim, ele aceitou o convite de ter “poderes mágicos e muita força”, que seriam conferidos pelos rituais.
Depois da iniciação, ele começou a ser treinado para se tornar um criminoso. Os primeiros passos foram assaltos a vendedores ambulantes, e com a experiência de ingestão de bebidas alcoolicas, “espancava qualquer que discordasse” dele.
Tudo isso mudou quando uma equipe de missionários da British Bible Society visitou o orfanato onde Emmanuel vivia e ministrou um estudo bíblico baseado na parábola do Bom Samaritano. A proposta da iniciativa é ensinar valores que ajudem os jovens a se tornarem “cidadãos gentis”.
Aquela visita levou Emmanuel a ficar curioso sobre quem era Jesus, e isso abriu as portas para um novo prisma para o jovem: “O bom samaritano mostrou-me como viver de forma diferente”, disse Emmanuel “Agora minha vida é muito diferente”, acrescentou.
Com o aconselhamento pastoral que recebeu, o jovem conseguiu se livrar da gangue e deixar a vida de criminalidade e feitiçaria: “Eu fui a um pastor e falei com ele sobre as coisas que eu estava fazendo. Eu comecei a orar e ler a minha Bíblia”, relembrou.
Hoje, Emmanuel ora pelos antigos parceiros de crime e feitiço, e ajuda os colegas de orfanato com diversas atividades, incluindo o futebol. No futuro, quer se formar em contabilidade e desenvolver um ministério: “Quero dizer aos jovens como é possível evitar coisas ruins e convidar Jesus Cristo para entrar em suas vidas. Eu fiz coisas ruins, roubei pessoas e magoei a muitos, mas agora respeito as pessoas por causa de Jesus”, concluiu.

FONTE: https://noticias.gospelmais.com.br/missionarios-jesus-jovem-feiticeiro-converte-evangelho-88265.html

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

NINGUÉM ESTÁ SEGURO EM ALEPO - SÍRIA


Quando o cirurgião Mounir Hakimi operou na Maram, de cinco meses, na província síria de Idlib, na semana passada, a extensão horrível de seus ferimentos rapidamente se tornou clara.

"Ela perdeu ambos os pais em um ataque aéreo, tem múltiplas fraturas, uma ferida em seu abdômen, e perdeu muita pele," Hakimi  disse à Al Jazeera em uma entrevista por telefone. "Nós temíamos que ela pudesse acabar com uma amputação porque [suas feridas] estão tão infectadas".

Maram foi uma das 35.000 pessoas que deixaram Aleppo na semana passada como as forças do regime sírio retomaram distritos do leste anteriormente controladas pelos rebeldes da cidade. 

Como a evacuação terminou na quinta-feira e neve cobriu o chão queimado, combatentes da oposição e civis foram forçados a ir para o campo controlado pelos rebeldes para o oeste, e para a província de Idlib, na fronteira turca. 

O pessoal médico está agora sobrecarregado com o influxo de Alepps feridos, que estavam sob cerco e bombardeio aéreo por mais de 100 dias. Milhares estão sofrendo ferimentos de metralha infectados, hipotermia e desnutrição. Cirurgiões estão operando para até 12 horas por dia, e instalações médicas estão funcionando em capacidade dupla.

O caso de Maram é típico, de acordo com Hakimi, que chefia a caridade Síria Relief, que está entre uma dúzia de organizações de ajuda que apóiam os deslocados de Aleppo. "Ela não tinha pais e foi deixada no hospital, foi levada pela ambulância e encontramos os nomes de seu avô e sua madrasta".

Médicos em Idlib estão vendo dezenas de feridas "infectadas e gangrenadas", disse Hakimi, observando que alguns pacientes podem precisar de amputações, ou poderiam ficar com outras incapacidades de longo prazo.

"Devido aos contínuos ataques aéreos [em Aleppo], há crianças que têm estilhaços nas espinhas", explicou. "Isso fez com que ficassem paralisados, estamos vendo crianças que perderam a visão em um olho por causa do estilhaço".

"Já as instalações médicas que estamos patrocinando e em execução estão sob enorme pressão - mesmo antes da evacuação começou", disse Hakimi. "Agora, temos de lidar com uma população maior e os fundos estão diminuindo, as máquinas não vão lidar com a escala das baixas".

Cerca de 100 pessoas com lesões que ameaçam a vida foram retiradas da Síria. Enquanto isso, alguns trabalhadores de ajuda humanitária que tiveram que deixar o leste de Aleppo juraram continuar trabalhando em suas novas casas.

A Sociedade Médica Americana da Síria, que apoiou hospitais na cidade de Aleppo, planeja mudar-se para três novas instalações subterrâneas no campo rebelde e Idlib.Todo o seu pessoal médico que deixou a cidade de Aleppo continuará a trabalhar com a organização.

Em sua nova casa em Idlib, Mohamed Fadoua, um voluntário defensor da Síria de 24 anos, de Aleppo, pretende vestir seu capacete branco - o capacete pelo qual a equipe de busca e resgate se tornou reconhecida.

"Eu decidi continuar meu trabalho com a força de defesa civil, porque mesmo à esquerda Aleppo, isso não significa que eu deveria parar meu trabalho humanitário, de tal forma que todo mundo está morto", Fadoua  disse à Al Jazeera. "Estou muito cansado e sinto que minha mente está morta, meus sentimentos foram terríveis quando saímos da cidade: saímos da minha casa, da sepultura de meu irmão e de tantas lembranças felizes, mas minha família quer que eu continue".







"Já as 

FONT      FONTE: http://www.aljazeera.com       28 de dezembro de 2016
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...