domingo, 25 de maio de 2014

MULHER GRÁVIDA CONDENADA À MORTE POR APOSTASIA.


Um tribunal sudanês condenou uma mulher sudanesa Christian grávida à morte por enforcamento para 'apostasia', e de flagelação para 'adultério.' The 27-year-old médico, Meriam Yehya Ibrahim, foi preso e acusado de adultério em agosto de 2013 após um membro da família supostamente alegou que ela estava cometendo adultério por causa de seu casamento com um homem do Sul do Sudão cristão. Sob a lei Sharia, tal como praticada no Sudão, uma mulher muçulmana não é permitido casar com um homem não-muçulmano, e qualquer casamento é considerado adultério. O tribunal acrescentou a acusação de apostasia, em fevereiro de 2014, quando Meriam afirmou que ela é um cristão e não um muçulmano. Segundo Meriam, ela foi criada como um cristão ortodoxo, religião de sua mãe, pois seu pai, um muçulmano, estava ausente durante a sua infância. Em 15 de Maio a sua sentença de morte foi proferida por um tribunal de Cartum, depois que ela se recusou a renunciar à sua religião . Ainda não foi anunciada a data da execução. De acordo com o Código Penal do Sudão, uma mulher que está grávida não pode ser executado antes de dar à luz a seu filho e cuidar dele ou dela por dois anos. Meriam permanecerá na prisão durante este período de dois anos. A Amnistia Internacional acredita Meriam Yehya Ibrahim é um prisioneiro de consciência e deve ser imediata e incondicionalmente libertados. Pare a flagelação e execução e procura re-locação! imediata e incondicional de Meriam autoridades sudanesas preciso ouvir de você agora

FONTE: http://act.amnestyusa.org/

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...